#1 Cammarada do planeta

3 provas de que a impressora 3D é amiga do meio ambiente

Já imaginou a quantidade de estoque parado no mundo? Vamos falar sobre isso!

Nos anos 1990 surgiu o desenho Capitão Planeta, onde o herói era convocado junto com sua equipe (cada um representava um elemento da Natureza, sendo um deles o coração) a ir atrás de problemas ambientais, frequentemente provocados pela ação irresponsável do ser humano, combatendo grandes corporações. Infelizmente, é apenas um desenho.

Mas nem tudo está perdido! A impressora 3D veio para ajudar a Terra e nós vamos provar para você que isso é mais real do que você imagina. Vai, Planeta!

Como a tecnologia 3D fabrica produtos sob demanda, ela evita o desperdício de materiais utilizados para produção de um produto industrializado. Além disso, ela reduz a poluição, já que gasta menos, em média, para se produzir, armazenar e transportar determinada peça ou produto.

A impressora 3D é um importante instrumento para que nossa sociedade mude a sua forma de consumo e crie atitudes que agridam menos o meio ambiente. Separamos 3 provas de que a impressora 3D é amiga desse mundão, se liga.

1 . Estoque zero

Estoque é dinheiro parado. Seja pelo espaço ocupado a toa, seja pelo investimento em um produto que está sendo depreciado pelo tempo ou seja pelo custo de oportunidade de investir em algo que seria vendido mais rápido.

Produtos são feitos para serem consumidos e utilizados. É assim que a empresa atende os seus clientes, obtém retorno econômico e sobrevive. Se o que é produzido não é consumido, a empresa acumula estoque, que é um dos principais indicadores de um sistema produtivo com problemas.

O custo financeiro de capital parado (e não vendido) é o desperdício mais evidente para as empresas, mas o estoque nos mostra vários outros problemas. Por exemplo, a existência de uma cadeia produtiva que está superdimensionada e acaba fabricando mais do que é demandado pela sociedade, agravando a produção de lixo e poluição.

2 . Correção na prototipagem

Em um processo produtivo, o ideal é produzir certo logo na primeira vez. Pois assim, é claro, não será preciso gastar tempo e dinheiro produzindo de novo. O criador do Sistema Toyota de Produção, Taiichi Ohno, considera que o “retrabalho” é um dos maiores desperdícios a serem evitados nas organizações tradicionais: gastar tempo, gente e recursos para corrigir ou refazer o que já foi feito.

Testar, antecipadamente, uma ideia permite a identificação de problemas e funcionalidades no início na concepção de um novo produto. É inegável que isso diminui o desperdício de material nas fases subsequentes. Por exemplo, vários parâmetros podem ser checados quando ainda está em fase de prototipagem e, caso encontre alguma inconsistência, a correção pode ser feita rapidamente e o protótipo reimpresso em 3d.

3 . Redução da pegada de carbono

Você viu o trânsito hoje? Quem atua com logística sabe o custo e o trabalho que se tem para movimentar materiais de um lugar para o outro. Então, é um desperdício enorme fazer o transporte de qualquer tipo de peça que ainda vai ficar esperando alguns meses por um demandante – seja ele o consumidor final ou um fornecedor intermediário.

Para se fabricar um produto, por exemplo, um brinquedo, a empresa fabricante tem uma rede de fornecedores que ofertam partes desse brinquedo. Cada fornecedor da rede representa uma parte desse processo. Uma empresa fornece um adesivo, outra fornece o corpo plástico do brinquedo, uma terceira empresa fornece as rodinhas deste brinquedo, etc. É uma grande rede de fabricantes.

A impressão 3D permite uma produção sob demanda, o que elimina a necessidade de transporte de produtos. Ou seja, se reduzirmos a oferta desnecessária de peças intermediárias, reduziremos a fabricação gerada pelas diferentes etapas de produção desses produtos, logo, menos transporte será utilizado. Consequentemente, como vivemos em um contexto com elevado consumo de energia fóssil, as emissões de carbono irão reduzir de forma drástica.

Conclusão

Agora você está entendendo por que levamos a impressão 3D tão a sério?

Atualmente, pensar na perpetuidade do nosso planeta é obrigatório para qualquer empresa e a impressão 3D veio para diminuir alguns impactos do sistema fabril no meio ambiente. A Cammada acredita que a sustentabilidade deve ser um fator relevante na rotina das cadeias produtivas. Pequenas, médias e grandes empresas têm um papel importante na disseminação desse pensamento!

Em breve os consumidores poderão devolver produtos quebrados e receberão um novo. Os produtos serão feitos sob demanda usando as impressoras 3D e majoritariamente materiais reciclados. A cadeia produtiva será eficiente, sustentável e diversificada o suficiente para fabricar qualquer ideia humana. Sonhar não custa nada… Temos muito que avançar ainda, mas vamos pensando aí nas possibilidades, pois o futuro já se aproxima. O poder é de vocês!

Fontes: Blog Fazedores, Brasão sistemas, Época Negócios, Abiplast e Wikipédia.

 

 

Luísa

Agência de publicidade e propaganda

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *